• 03 NOV 14
    • 0
    Acidentes de trabalho: A FADIGA É MÁ CONSELHEIRA!

    Acidentes de trabalho: A FADIGA É MÁ CONSELHEIRA!

    A fadiga é frequentemente apontada como causa imediata de graves acidentes de trabalho, em especial no setor dos transportes, onde para além do motorista outras pessoas sofrem as consequências dos desastres. O Verão e as épocas festivas são tempos particularmente propícios a situações de trabalho excessivo, horários desregulados e ausência de repouso por parte de alguns profissionais. A fadiga, porém, pode e deve ser prevenida para se evitarem custos humanos e econômicos bem graves!

    A fadiga é o resultado de um trabalho continuado que provoca uma redução reversível da capacidade do organismo e, em simultâneo, uma degradação da qualidade desse trabalho. É causada por um conjunto de fatores complexos, nomeadamente fisiológicos, como a intensidade e duração do trabalho físico e intelectual, sem esquecer os psicológicos como a monotonia e a falta de motivação, e ainda os fatores ambientais e sociais como a iluminação, o ruído, temperaturas e relações sociais.

    A fadiga resulta frequentemente da exposição do trabalhador a situações de stress, concebendo este como resposta do organismo a fatores que exigem adequada adaptação a solicitações e desafios.

    Embora não se conheçam totalmente os mecanismos causadores da fadiga existem estudos suficientes que nos revelam quais são as principais consequências da mesma.

    Assim, uma pessoa fatigada tende a simplificar a sua tarefa, eliminando tudo o que não é essencial e tornando-se menos precisa e segura. Os índices de erro começam a crescer. Um motorista fatigado, por exemplo, está menos atento aos instrumentos de controlo e reduz a frequência das mudanças.

    A fadiga física, desde que não ultrapasse certos limites, é reversível podendo o organismo recuperar através de pausas durante o trabalho ou com descanso diário.

    O mesmo não acontece com a fadiga crônica que não é aliviada por pausas ou sonos e tem um efeito cumulativo. Este tipo de situação, particularmente complexo nas suas causas, exige acompanhamento médico.

    Alguns aspectos do problema estão contemplados no normativo comunitário e na legislação nacional referindo-se em especial os ritmos de trabalho, as pausas e a rotatividade de tarefas1.

    Uma empresa ou serviço sem condições de segurança e saúde no trabalho é propício à existência de fadiga nos trabalhadores, embora saibamos que as características individuais e o tipo de vida de cada um têm, igualmente, influência no aparecimento daquela.

    Algumas pessoas são mais sensíveis à fadiga do que outras. Certos trabalhadores cansam-se mais com determinado tipo de trabalho ou em determinadas épocas do ano ou, ainda, em algumas fases da vida.

    As chefias e o médico do trabalho devem estar particularmente atentos a sinais que indiciem a existência de fadiga nos trabalhadores.

    Neste sentido a prevenção é a estratégia acertada para combater esta “doença” passando nomeadamente pela implementação de um serviço de saúde e segurança.

    • Dormir regularmente;

    • Como medidas concretas a nível individual podemos apontar as seguintes:

    • Aprender a gerir o tempo, planificando tarefas e delegando funções;

    • Banir hábitos tóxicos (álcool e tabaco);

    • Fazer uma alimentação racional;

    • Conversar com os colegas.

    Relativamente à prevenção na empresa e no âmbito de uma correta organização das atividades de segurança e saúde no trabalho exigidas por lei, destacamos:

    • Organizar o trabalho flexível que permita a criação de pequenos grupos ou equipes de trabalho motivadas, com autonomia e com rotatividade e diversidade de tarefas;

    • Flexibilizar os horários permitindo ao trabalhador a participação na gestão do seu tempo de trabalho;

    • Introduzir pausas quer sejam espontâneas promovidas pelo trabalhador,
    quer introduzidas por regulamento da empresa ou serviço;

    Sendo necessário efetuar trabalho por turnos é aconselhável que os mesmos sejam de curta duração, evitando acumulação de perdas de sono e conciliando a vida profissional com a vida familiar e social.

    Estes trabalhadores devem ser especialmente acompanhados pelo médico do trabalho.

    Para terminar este breve apontamento podemos afirmar que a existência de casos de fadiga numa empresa é um sintoma de alerta que deve obrigar a gestão e, em especial, os serviços de segurança e saúde no trabalho, a uma avaliação de riscos, nomeadamente a uma análise das condições e organização do trabalho.

    Em situações concretas pode existir de facto uma relação entre fadiga, acidentes de trabalho, produtividade e absentismo.

    Antônio Brandão Guedes
    Técnico da Autoridade para as Condições do Trabalho

    1- Alínea g) do artigo 273º do Código do Trabalho; artigo 22º do Decreto-Lei Nº243/86 (Regulamento
    Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comerciais, de Escritório e Serviços.

    Acidentes de trabalho: A FADIGA É MÁ CONSELHEIRA!

    Compartilhe em suas redes:
    Comentar

Comentar

Cancel reply
Compartilhe em suas redes: