• 09 AGO 14
    • 0
    Pequenas mudanças ajudam a ter uma boa noite de sono

    Pequenas mudanças ajudam a ter uma boa noite de sono

    Entrevista para Rede Gazeta – Jéssica Polese

    Pequenas mudanças ajudam a ter uma boa noite de sono

    Já é tarde da noite, você vira para um lado da cama, depois muda para o outro e nada… O tempo passa, e o sono simplesmente se esquece de chegar. A cena já faz parte da rotina de muitas pessoas. E não é à toa: a correria do dia a dia tem tornado o problema da insônia cada vez mais comum. A ansiedade, o estresse, a depressão, tudo isso pode transformar sua noite de sono em um verdadeiro pesadelo. Mas algumas pequenas mudanças de hábitos diários podem amenizar esse problema e deixar seu sono mais tranquilo, segundo a médica do sono Jéssica Polese.

    De acordo com ela, é válido apostar em qualquer tipo de técnica de relaxamento, inclusive antes de ir para cama. Os exercícios físicos praticados regularmente também são indicados, mas a médica explica que eles devem ser evitados até duas horas antes de dormir. “As atividades deixam a pessoa muito agitada e, se forem feitas muito à noite, podem atrapalhar o sono”, ressalta.

    Além disso, Jéssica destaca que é importante controlar a alimentação, que pode ser uma aliada de uma noite bem dormida. “Produtos com cafeína podem ser estimulantes e afetar o sono. Também é importante evitar comidas pesadas à noite”, lembra.

    Período
    O ideal é que um adulto durma de seis a oito horas por dia. Mas as crianças podem chegar a dez horas de sono. A médica explica que o uso de medicamentos para dormir só são indicados em último caso e, ainda assim, de forma temporária e na menor dose possível, porque podem causar dependência.

    Segundo Jéssica, o melhor tratamento é tentar solucionar o problema que causou a insônia, que normalmente é desencadeada por algum fator pessoal, como uma separação, a morte de alguém próximo, a saída do filho de casa e, principalmente, a ansiedade e o estresse com o trabalho.

    “Os remédios para dormir não devem ser usados regularmente, mas apenas para um caso isolado, até porque eles são tarja preta e podem viciar. Têm que ter data para começar e para terminar”, alerta.

    Insônia pode desencadear e até agravar doenças
    A agitação e o estresse da tão falada “vida moderna” podem trazer consequências a longo prazo. Muito trabalho, afazeres domésticos e compulsão por internet são apenas algumas das muitas atividades que fazem com que as pessoas durmam menos e, o pior, mal.

    O grande problema é que algumas doenças podem ser agravadas e até desencadeadas por conta de noites maldormidas. Segundo a médica do sono Jéssica Polese, já está comprovado por estudos: quem dorme melhor vive mais.

    Além disso, uma noite de insônia afeta a concentração, a memória e o humor. Mas problemas ainda mais graves podem afetar as pessoas que não têm qualidade no sono.

    A apnéia do sono, por exemplo, que é quando a pessoas tem dificuldade para respirar quando está dormindo, pode causar doenças como hipertensão, infarto e até um acidente vascular cerebral (AVC).

    “Além disso, o sono maldormido, agitado, pode liberar um hormônio, o corticóide, que aumenta o apetite e pode causar o problema da obesidade, a longo prazo. Isso já foi comprovado por diversos estudos”, explica.

    Estudo mostra que 3 em cada 10 dormem mal
    Um estudo publicado neste mês na Revista Sleep Council mostrou que 36% dos britânicos dormem muito mal à noite e menos do que as oito horas recomendadas. Os dados, segundo os especialistas, são muito parecidos no mundo todo. Mais de 240 mil britânicos foram diagnosticados com algum tipo de fadiga severa, que leva a sintomas como síndrome da fadiga crônica, dores musculares e falhas de memórias. O cansaço constante causa ansiedade, depressão e afeta a capacidade de pensar claramente e reagir bem.

    10 mandamentos para dormir bem

    Rotina
    É importante ter um horário regular para dormir e despertar. Isso facilita o corpo a relaxar. O relógio biológico responde melhor se for habituado a horários regulares.

    Cama
    O ideal é ir para a cama somente na hora dormir, para não ficar rolando de um lado para outro. Se não estiver com sono, procure fazer algo que não seja estressante ou estimulante.

    Ambiente
    Seu quarto deve ser um local agradável, limpo e aconchegante. Isso faz toda a diferença. E, lá, evite ficar assistindo à TV ou ficar no computador até antes de se recolher.

    Álcool
    Especialistas alertam: apesar de, em alguns casos, aquela cervejinha dar sono, não se deve fazer ingerir bebida alcoólica próximo ao horário em que costuma dormir.

    Remédios
    Não se deve fazer uso de medicamentos para dormir por conta própria. Além disso, converse com seu médico sobre os remédios que esteja usando, pois eles podem ser estimulantes.

    Cafeína
    Limite o consumo de cafeína. E não se esqueça de que ela não está presente apenas no café: chás, refrigerantes e chocolates também possuem essa substância.

    Exercícios
    Exercite-se regularmente, mas não perto da hora de dormir. Atividade física regular é essencial para quem sofre de ansiedade, mas a prática de exercícios à noite pode atrapalhar o sono.

    Comida
    Procure jantar moderadamente e no mesmo horário. E não vá para a cama de estômago cheio. Outra opção é tomar um copo de leite morno – que induz o sono – e chás de camomila, erva-doce…

    Relax
    Atividades repousantes e relaxantes após o jantar podem ajudar a cair no sono. Procure relaxar antes de ir para cama. Ouvir música, ler e tomar um banho morno são boas pedidas.

    Problemas
    Tente não pensar em suas preocupações e aborrecimentos ao ir para a cama. Busque pensar em coisas boas e, como já foi dito, fazer atividades relxantes.

    Colchão: conforto é que deve determinar a escolha
    Pronto. Agora você decidiu que quer dormir melhor e resolve ir até uma loja para trocar o seu travesseiro e o seu colchão. Você já está decidido, até chegar à loja… São tantas opções à venda: tem espuma ortopédica, eletromagnética a até aquela desenvolvida na Nasa.

    Mas não fique perdido. A melhor opção para você é aquela em que se sentir mais confortável e que acomodar bem o formato do seu corpo, segundo a médica do sono Jéssica Polese.

    “O colchão não pode ser muito mole nem muito rígido. O ideal é que ele permita acomodar a curvatura da coluna. Não importa se é da Nasa ou de qualquer outra marca. O corpo tem que ficar confortável nele”, recomenda.

    De acordo com a médica, o colchão eletromagnético não é tão indicado porque é muito duro. Um tipo muito recomendado é o de mola ensacado.

    Os travesseiros também não devem ser muito altos nem baixos. Eles têm que ser da altura do pescoço e não importa se são de espuma, de pena ou de outro material.

    Preço também não é sinônimo de que o colchão ou travesseiro é melhor, de acordo com médica. “O que vai mudar é o tempo de vida útil do material”. E ela alerta: se o colchão tem alguma deformação, a única saída é realmente jogá-lo fora. O mesmo deve acontecer com travesseiros que tiverem alguma mancha de ácaro, porque o fungo pode causar ou agravar doenças respiratórias.

    Por – Brunelli Duarte

    Fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2010/03/615091-pequenas+mudancas+ajudam+a+ter+uma+boa+noite+de+sono.html

    Compartilhe em suas redes:
    Comentar

Comentar

Cancel reply
Compartilhe em suas redes: